Invenção Contínua

Todo dia nasço e morro nos versos da poesia.

Se o poema me consola, desola-me a agonia.

A minha vida é assim, uma contínua invenção

Onde a racionalidade luta contra o querer do coração

Você é o meu querer, luz sobre a minha sina

Iluminas minha vida, essa invenção contínua

Onde a dor não sobrepuja os versos da minha rima

Não há um dia somente que eu não pense na morte

Inevitável partida que a nossa vida solapa

Seja rico, pobre, gordo ou magro nenhum sujeito escapa

Mas vivo a eternidade da brevidade poética

Onde tudo é possível e a vida se completa.

por Nelson Almeida

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s